• Luiz Fernando Arêas

UM CLARO RELATO DA PERFEIÇÃO CRISTÃ - parte 2 de 4

Bom dia.


Leia 1Coríntios 13.


Continuação de Extratos de “Um claro relato da perfeição cristã”, do livro Clássicos Devocionais, de Richard Foster, editora Vida (parte 1).




2. O perigo do entusiasmo


Cuidado, também, com o filho do orgulho: o entusiasmo. Por entusiasmo quero dizer a pressa em atribuir tudo a Deus, supondo que sonhos, vozes e visões sejam revelações especiais de Deus concedidas a você. Embora possam vir de Deus, também poderão vir do Diabo. Portanto, “não creiam em qualquer espírito, mas examinem os espíritos para ver se eles procedem de Deus”. (1João 4.1). Prove todas as coisas por meio da Palavra escrita de Deus, e que tudo se submeta a ela.


Você corre o risco do entusiasmo toda vez que se distancia ligeiramente das Escrituras. Nunca devemos apartar-nos do sentido claro das Escrituras, mas sempre levar em consideração o contexto no qual elas foram escritas. Lembre-se, porém, de que não devemos desprezar a razão, o conhecimento ou o aprendizado humano, que são dádivas de Deus e têm um propósito.


Um dos caminhos de entrada do entusiasmo é desejar o fim sem os meios: por exemplo, desejar possuir conhecimento sem estudar as Escrituras nem consultar o povo de Deus, ou desejar força espiritual sem oração incessante e constante vigilância, ou ainda esperar que Deus o abençoe sem dar ouvidos à sua Palavra.


Outra porta de entrada do entusiasmo pode ser o próprio desejo de “crescer na graça”. Para algumas pessoas, essa atitude fará com que estejam constantemente procurando uma “nova” graça e, desse modo, buscando algo diferente das novas dimensões de amor a Deus e ao próximo.


Alguns acham que alcançaram uma nova graça quando descobrem o que significa ser “um com Cristo” ou “morrer com Cristo”. Quando recebemos no coração um novo ensino das Escrituras, não devemos concluir que seja um “novo” dom. Recebemos tudo isso quando fomos justificados, o que falta é a experiência dessas coisas em maior grau.


Devemos sempre lembrar que o amor é o maior dom de Deus. Todas as nossas revelações e dons são pequenas coisas, em comparação com o amor. Não há nada mais sublime na religião. Se estiver procurando qualquer outra coisa, você está longe do alvo. Resolva a partir desse momento não ter outro objetivo senão aquele amor descrito no capítulo 13 de 1Coríntios. Você não pode ir além disso.


Ponderação de Richard Foster

Wesley escreve sobre a tendência de alguns que desejaram bênção espiritual (por exemplo, conhecimento, força espiritual) sem nenhum esforço espiritual (por exemplo, oração, leitura da Bíblia, ouvir a pregação da Palavra, comunhão cristã). Ao refletir sobre sua vida, que bênçãos espirituais você gostaria de receber de Deus? Que meios espirituais ajudariam você a receber essas bênçãos?

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo