• Luiz Fernando Arêas

ABRAÃO 06 - CUIDADO COM AS EMOÇÕES

Bom dia.


Leia Gênesis 16.1-6


"No post ABRAÃO 05 - LIÇÕES DE UMA NOITE ESTRELADA o texto sagrado nos conduziu à intimidade da tenda de Abraão, onde Deus o visitou numa noite inesquecível.

Neste capítulo somos novamente conduzidos à tenda de Abraão, mas para assistirmos a uma discussão entre marido e mulher.


Se o coração de Abraão adoecia porque as promessas de Deus demoravam a se cumprir, o de sua esposa Sara (na época, Sarai) também não era imune a esses sentimentos. O capítulo começa falando que ela "não havia conseguido lhe dar filhos",


Imaginemos o que se passa no coração de Sara. Ela era estéril (Gênesis 11.30), e ter essa condição no cenário bíblico era uma enorme humilhação. Não conseguia corresponder ao que esperavam dela, por isso se sentia esmagada pela pressão. Já fazia dez anos que a promessa de Deus, fazer de Abraão uma grande nação, tinha sido feita (v. 3) e, apesar da beleza de Sara e dos recursos financeiros, seu colo permanecia vazio. Dez anos, tentando ter o filho prometido por Deus, porém, sem sucesso. A espera a sufocava. O que fazer? Ela resolveu “dar uma ajuda” a Deus, lançando mão de todos os recursos possíveis para atingir seu objetivo:

Tinha, porém, uma serva egípcia chamada Hagar. Sarai disse a Abrão: “O SENHOR me impediu de ter filhos. Vá e deite-se com minha serva. Talvez, por meio dela, eu consiga ter uma família”. (Gênesis 16.1,2)

Embora o costume seja estranho para nós, o antigo Oriente Próximo tem paralelos que ilustram que a prática era aceitável naquela cultura. O uso de uma escrava pessoal para dar filhos à família era legítimo naquela época, uma vez que a escrava era considerada uma “propriedade”.


Abraão pode ter assumido que esse era o meio de Deus para fornecer um herdeiro biológico para cumprir suas promessas. Sara e Abraão estavam tentando cumprir as promessas de Deus por sua própria força. No entanto, o filho de Hagar, Ismael, não seria o filho da promessa.


Mas as coisas não saíram como Sara planejou. Hagar ficou grávida e passou a tratar sua senhora com desprezo (v. 4). Esse é um capítulo repleto de emoções. Um caldeirão cheio delas vai fervilhando dentro da esposa de Abraão:

Então Sarai disse a Abrão: “Você é o culpado da vergonha que estou passando! Entreguei minha serva a você, mas, agora que engravidou, ela me trata com desprezo. O SENHOR mostrará quem está errado: você ou eu!”. (Gênesis 16.5)

Abraão, que fizera a vontade da esposa, agora responde a ela:

“Hagar é sua serva. Faça com ela o que lhe parecer melhor”. (Gênesis 16.6)

Então Sara a tratou tão mal que Hagar fugiu.


Passando o drama a limpo

Sara coloca a culpa da situação em Deus (v. 2) e, depois, em Abraão (v. 5).

Por sua vez, Abraão aceitou a proposta inicial de Sara sem consultar o Senhor, ou seja, cometeu o mesmo erro do capítulo 12, quando a fome o visitou. Agora tem que ficar ouvindo que "a culpa é sua"...


Completando o quadro, uma escrava que não soube lidar com a "promoção" que recebera. Quem "se acha demais" acaba se perdendo. Hagar é humilhada até não poder mais suportar, e foge.


Walter Brueggemann, em seu comentário de Gênesis, escreve:


Teologicamente, a narrativa afirma que Abraão e Sara não acreditaram na promessa. Como em 12.1020 [o episódio no Egito], Abraão retoma a promessa com suas próprias mãos, não querendo esperar que Deus cumpra seu propósito inescrutável. Calvino chama a fé deles de "defeituosa". Essa é a principal questão a ser abordada. 
Fé não é fácil. Exige uma persistência que seja contra o bom senso. Requer acreditar em um presente de Deus que nenhuma das evidências atuais pode comprovar.

As emoções não devem governar o coração humano. O Criador nos fez com elas. Elas existem e não devem ser ignoradas. Mas elas não podem conduzir nossas decisões, pois oscilam demais. Precisamos temperá-las com a fé, que também oscila, e, sobretudo, com as promessas de Deus, que são imutáveis.


Assim, o trem da vida tem que ter na locomotiva a Palavra de Deus, depois a fé, e por último, as emoções.


Se você resolver fazer dos sentidos e dos sentimentos o juiz de sua condição irá viver em temores e deitar-se em lágrimas.

Thomas Brooks, 1608-1680





26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo