• Luiz Fernando Arêas

QUANDO A VIDA É VIVIDA PELA FÉ

Bom dia.


Leia: Habacuque 3.17-19


Estamos todos matriculados na escola da vida, e o sofrimento é matéria obrigatória do currículo escolar. Não há como evitá-lo, por mais que queiramos.

Alguém já disse que a vida é uma professora implacável, porque ela primeiro dá a prova, depois a lição. E muitas vezes essas provas não são marcadas com antecedência. São provas surpresas.


Lembro-me de uma professora que tinha um prazer especial em fazer isso com os alunos. “Hoje tem prova surpresa, conteúdo das últimas duas semanas!” Por isso, quem quisesse ir bem nessas provas ou pelo menos sobreviver a elas, sabia que era necessário manter-se afiado, preparado, com a matéria em dia.

Da mesma forma, para sermos bem-sucedidos nas provas surpresas da professora Vida, é imprescindível andarmos afiados, estudarmos a matéria, mantermos firme nossa rotina diária de estudo do Livro que melhor pode nos preparar para esse propósito: as Sagradas Escrituras.

Quando nós oramos, falamos com Deus. Quando lemos a Sagrada Escritura, Deus fala conosco.

As injustiças da professora Vida causaram indignação e perplexidade no profeta Habacuque (Habacuque 1.2-4).

Até quando, Senhor, terei de pedir socorro? Tu, porém, não ouves. Clamo: “Há violência por toda parte!”, mas tu não vens salvar. Terei de ver estas maldades para sempre? Por que preciso assistir a tanta opressão? Para qualquer lugar que olho, vejo destruição e violência. Estou cercado de pessoas que discutem e brigam o tempo todo. A lei está amortecida, e não se faz justiça nos tribunais. Os perversos são mais numerosos que os justos e, com isso, a justiça é corrompida. (Habacuque 1.2-4)

Como estas palavras são atuais! As manchetes dos jornais de Habacuque são praticamente as mesmas dos nossos. Não parece que elas foram proferidas há 2.600 anos.


Como podem as pessoas fazer o mal impunemente, sem que Deus faça nada? A teologia dá o nome de teodiceia a esse assunto. Mas Deus responde ao profeta afirmando que está atento a tudo. Toda a injustiça será julgada. “Pode ser que você não compreenda tudo o que farei, Habacuque,

"O justo, porém, viverá por sua fidelidade a Deus." (Habacuque 2.4).

Diante dessa resposta do Senhor, Habacuque responde com um salmo cheio de fé.

17 Ainda que a figueira não floresça e não haja frutos nas videiras, ainda que a colheita de azeitonas não dê em nada e os campos fiquem vazios e improdutivos, ainda que os rebanhos morram nos campos e os currais fiquem vazios, 18 mesmo assim me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus de minha salvação! 19 O Senhor Soberano é minha força! Ele torna meus pés firmes como os da corça, para que eu possa andar em lugares altos. (Habacuque 3.17-19)

Em outras palavras, a resposta do profeta foi essa: "Está bem, Senhor. Não entendo mesmo. Mas confio em ti e viverei com minha fé em ti, mesmo que eu não compreenda tudo o que acontece. Tu és melhor do que qualquer bênção material que eu possa ter."


O belo poema "Os Ventos do Destino" (The Winds Of Fate), de Ella Wheeler Wilcox (1850-1919) retrata a necessidade de estarmos afinados com Deus, de coração preparado para o que der e vier. A tradução é de Israel Belo de Azevedo:

Os Ventos do Destino - Ella Wheeler Wilcox
  
Um barco sai para o leste e o outro para o oeste
Levados pelos mesmos ventos que sopram:
É a posição das velas,
E não os temporais,
Que lhes dita o curso a seguir.

Como os ventos do mar são os ventos do destino
Quando navegamos ao longo da vida:
É a posição da alma
Que determina a meta,
E não a calmaria ou a borrasca. 

Para que nosso olhar não seja dominado pela triste realidade atual, busquemos esse abençoado diálogo com o Senhor. Assim, nossa esperança será renovada e viveremos pela fé, sendo fiéis a Deus.


Se você não crer, não compreenderá.

Agostinho, 354-430

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo