• Luiz Fernando Arêas

PERMANECENDO INABALÁVEL NUM MUNDO HOSTIL

Bom dia.


Leia: Daniel 6.1-28


A passagem de Daniel na cova dos leões é bem conhecida. Eis um personagem bíblico que nos inspira a caminhar mais perto de Deus.

A história de Daniel começa com ele ainda adolescente, sendo arrancado do seio de sua família e deportado para a Babilônia. Lá seu caráter é forjado e sua fidelidade posta à prova. Ele suportou inúmeras provações, mas permaneceu fiel a Deus.


Três vezes em seu livro Deus lhe diz, através de anjos, que ele é muito amado (9.23, 10.11 e 10.19).


Daniel teve um longo ministério. Reis e nações passaram, e ele continuou sendo usado por Deus para servir os poderosos de seu tempo. Serviu aos reis da Babilônia e continuou prosperando sob o governo persa. Dario, o medo, fez dele um dos três supervisores sobre os 120 distritos de sua jurisdição.


"Ele era leal, sempre responsável e digno de confiança.", Daniel 6.4. Que exemplo para nós, num mundo onde os valores morais são tão relativizados. Esse servo de Deus foi tão bem-sucedido que despertou inveja nos outros administradores e oficiais. Eles planejaram uma trama para que Daniel fosse executado por traição. Convenceram o rei a assinar um decreto ordenando aos súditos que cultuassem apenas ao imperador durante um mês. Quem descumprisse tal decreto seria atirado à cova dos leões.


Ao saber disso, Daniel orou abertamente ao Senhor, e, claro, seus inimigos o delataram ao rei. A lei persa não podia ser alterada nem pelo próprio rei, e Daniel foi lançado na cova.


Daniel orou abertamente não simplesmente porque estava com problemas, mas porque esse era seu hábito diário (Daniel 6.10). A espiritualidade sadia pregada pela Bíblia, como diz Ricardo Agreste, tem os olhos fitos nos céus e os pés firmes na terra. Uma espiritualidade apenas com os olhos fitos nos céus é alienação. Uma espiritualidade apenas com os pés na terra é materialismo.

"A espiritualidade proposta na Bíblia é um modelo que tem conexão com os céus e os pés na terra." Ricardo Agreste

A cova foi tampada com uma pedra e a pedra marcada com o selo do rei, a fim de que não houvesse a mínima possibilidade humana de fuga ou resgate.


Após uma noite longa em claro, Dario voltou à cova pela manhã. Para sua surpresa, Daniel ainda estava vivo, sem ferimento algum. Ele disse que o Senhor enviara seu anjo que fechou a boca dos leões.


O rei ordenou que Daniel fosse tirado da cova e seus acusadores lançados nela, juntamente com suas esposas e filhos, conforme o costume persa.


Daniel nos mostra como permanecer inabalável num mundo hostil. Como ele, também vivemos num mundo marcado pela inveja, injustiça e impiedade. Mas os cristãos têm em Jesus Cristo a força para permanecerem firmes, apesar de toda oposição.


Daniel figura na "galeria dos heróis da fé", de Hebreus, capítulo 11.

"...os quais pela fé conquistaram reinos, praticaram a justiça, alcançaram o cumprimento de promessas, fecharam a boca de leões..." (Hebreus 11.33)

Nem todos os personagens dessa galeria foram livrados de suas "covas". Alguns foram serrados ao meio, como provavelmente o profeta Isaías, a mando do perverso rei Manassés.


Veja a observação de Luiz Sayão no comentário Rota 66:


"Deus sempre nos livrará? Não, nem sempre. A Bíblia nos ensina que, sobretudo, o que importa é a glória de Deus. 
Às vezes, o cristão glorifica a Deus através do sofrimento; 
às vezes, o cristão glorifica a Deus através do livramento."
Luiz Sayão

Se alguma "cova" surgir na sua agenda, persevere.


25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo