• Luiz Fernando Arêas

O PERIGO DAS QUESTÕES MALRESOLVIDAS

Bom dia.


Leia: 2Samuel 15.1-14

O assunto de hoje é bastante familiar, é sobre família.


Família é projeto de Deus. É o lugar que Deus planejou para que cada um de nós pudesse se sentir seguro, acolhido, amado, desejado, estimado. Lugar esse onde deveríamos encontrar conforto, segurança, intimidade, aconchego. Deveria ser o ambiente propício para desenvolvermos o melhor de nós como seres humanos.


No entanto, nem sempre é assim. Nossas famílias não estão livres de serem bombardeadas por coisas ruins, sentimentos negativos, atitudes destrutivas e fatores sobre os quais muitas vezes não temos controle, e que podem acabar com ela, desestruturá-la. Foi assim com a casa de Davi.


Depois de ter cometido um adultério e um assassinato (2Samuel 11), a vida de Davi nunca mais foi a mesma. Absolutamente arrependido, ele confessa seu pecado (2Samuel 12.13; Salmos 32 e 51) e é perdoado por Deus. Deus o perdoou, mas parece que ele mesmo não se perdoou. Quando Amnon, seu filho mais velho, violenta a própria irmã, Tamar, Absalão, outro filho, inconformado com a falta de ação do pai, toma as dores da irmã e mata Amnon. Tudo isso acontece e o rei nada faz. O pecado sexual e assassínio estão presentes novamente na história de Davi.


Ele se vê sem moral para confrontar os filhos, incapaz de pôr ordem na própria casa. O resultado dessa triste omissão: mortes, tragédias, vidas profundamente marcadas pela desgraça. E Davi vai perdendo seus filhos.


Bem oportuna a advertência do último verso do Antigo Testamento:

“Ele fará com que os corações dos pais se voltem para seus filhos, e os corações dos filhos para seus pais; do contrário, eu virei e castigarei a terra com maldição.” (Malaquias 4.6)

Precisamos lutar pela harmonia de nossas famílias. A Palavra de Deus é abundante em conselhos neste sentido. O padrão divino para relacionamentos familiares, maridos e mulheres, pais e filhos, está descrito em Efésios 5.21 a 6.4 e Colossenses 3.18-21. Davi só percebeu isso tarde demais, como se vê em seu lamento pungente ao saber que Absalão fora morto:

“Ah, meu filho Absalão! Meu filho, meu filho Absalão! Quem me dera ter morrido em seu lugar! Ah, Absalão, meu filho, meu filho!” (2Samuel 18.33).

Ninguém põe o nome no filho de "pai da paz" achando que um dia lamentaria sua morte trágica. Davi teve inúmeras oportunidades para confrontar o filho, mas não o fez. De que vale ser o rei de Israel, o ungido de Deus, escrever lindos salmos, ter tempo para o trabalho, para o reino de Israel, mas não ter tempo para resolver os problemas de casa? O exemplo infeliz de Davi como pai, não deve ser seguido por nós.


Por isso, é vital encararmos os nossos problemas de frente. Se os varrermos para debaixo do tapete, achando que o tempo vai resolver tudo, na verdade podemos criar "bombas-relógios" que explodirão mais adiante, com poder de destruição potencializado.


Tenho uma infeliz coleção de arrependimentos, coisas que eu disse ou fiz e ocasiões em que me omiti. Com frequência sou visitado, para não dizer atormentado, por eles. Sei que preciso trazer à memória o que me pode dar esperança, como, por exemplo, esse oráculo carregado de conforto do profeta Miqueias, capítulo 7:

18 Que outro Deus há semelhante a ti, que perdoas a culpa do remanescente e esqueces os pecados dos que te pertencem? Não permanecerás irado com teu povo para sempre, pois tens prazer em mostrar teu amor. 19 Voltarás a ter compaixão de nós; pisarás nossas maldades sob teus pés e lançarás nossos pecados nas profundezas do mar. 20 Tu nos mostrarás tua fidelidade e teu amor como prometeste há muito tempo a Abraão e a Jacó, nossos antepassados.

Pensando na figura poética de Miqueias, se a Fossa das Marianas, com seus 11 quilômetros de profundidade, é o lugar mais fundo do planeta, talvez seja lá que Deus lança nossos pecados.


Lembro-me também de Hebreus 7.17-18:

E acrescenta: “E nunca mais me lembrarei de seus pecados e seus atos de desobediência”. Onde os pecados foram perdoados, já não há necessidade de oferecer mais sacrifícios.

Melhor é buscar fazer a vontade do Senhor enquanto há tempo. Que o Senhor tenha misericórdia de nós e nos capacite a sermos bons cônjuges, pais e filhos segundo o seu coração, perdoando nossos devedores e a nós mesmos, para sermos perdoados por Deus (Mateus 6.14,15).


Meu triste pecado por meu Salvador Foi pago de um modo cabal; Valeu-me o Senhor, oh! mercê sem igual Sou Feliz! Graças dou a Jesus!

Horatio G. Spafford, Hino "Sou Feliz", 1829-1888

30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo