• Luiz Fernando Arêas

AOS PÉS DE JESUS - parte 1

Bom dia.


Leia Marcos 3.13-19


A belíssima passagem de hoje fala da dinâmica do discipulado.

Olhando o contexto da passagem, percebemos que esse texto fica entre duas multidões, (Marcos 3.7 e 3.20), o que dá à passagem um aspecto ainda mais interessante.


E o que acontece entre esses dois textos? Jesus sobe a um monte e passa a noite ali em oração, conforme a narrativa paralela de Lucas (6.12). Ao amanhecer ele escolhe doze discípulos para estarem com ele durante três anos, e os chama de "apóstolos", que quer dizer: "enviados".

"Jesus subiu a um monte e chamou a si aqueles que ele quis, os quais vieram para junto dele." (Marcos 3.13)

Uma das belezas deste texto está no seu movimento expresso nas preposições.

Chamou a si (para ele), aqueles que ele quis, os quais vieram para junto dele.... para que estivessem com ele. Percebe a dinâmica? Qual a ideia desse movimento? Intimidade.


Não há intimidade na multidão. É impossível. A multidão vem porque quer resolver problemas, quer ouvir, quer pão, quer cura e, muitas vezes, quer apenas matar a curiosidade.


A multidão é utilitarista. Ela vai e vem, é inconstante. Discípulos permanecem com Jesus. A multidão é impessoal. Discípulos são absolutamente pessoais. A multidão não tem compromisso. Discípulos são sinônimos de compromisso, senão não são discípulos. Jesus não chama seus seguidores para serem multidão, mas para serem discípulos.


Por isso, precisamos tomar cuidado com a distração gerada pelas multidões e concentrar-nos na produção artesanal de discípulos de Cristo. 
Ricardo Agreste

O texto prossegue dizendo que Jesus os enviou para pregar e para expulsar demônios. Considere a ordem das palavras. São dois movimentos. O primeiro, na direção de Deus. O segundo, na direção da multidão. Primeiro a Devoção, depois a Missão.


Essa é a dinâmica do discipulado. Ele os envia às multidões, para dela formarem discípulos, Tal processo transforma indivíduos em pessoas. E essas pessoas são chamadas para estarem com Jesus, porque Ele as quer perto dele. Bem perto...


Ouça o chamado do Mestre. Saia da multidão e vá para perto dele.

A meditação reverente na Palavra é mais importante para a saúde da alma do que a oração. É mais importante você ouvir as palavras de Deus do que ele ouvir as suas, embora uma atividade sempre leve à outra.

F. B. Meyer, 1847-1929

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo